Vinho e gastronomia: uma forma de arte

Por Laís Lima e Trinny Alarcon

Uma tendência está tomando conta do paladar dos maceioenses, com nome um pouco difícil, mas de significado simples, a enogastronomia é a arte de combinar vinho e gastronomia. E nos últimos anos, foi a junção dessas duas delícias que passaram a ocupar os novos espaços de entretenimento noturno na capital, os chamados winebars.

O consumo de vinho está abraçando uma parcela que antes era ocupada, em sua grande maioria, pelos tradicionais botecos e bares onde a cerveja impera. Nesta mesma vertente, ao se pensar em alta gastronomia, apenas restaurantes caros e sofisticados, com pratos elaborados por chefes de cozinha renomados, faziam parte das opções.

Apontando para o público possibilidades que fogem do tradicional e regional, sendo uma alternativa acessível e fora do comum no cenário alagoano, o leque de opções aumentou com o surgimento dos winebars.

Pioneiro

A franquia Grand Cru surgiu originalmente em Brasília, primeiro como uma importadora de vinhos, mas graças à ousadia e visão dos sócios, o local ganhou seu primeiro winebar em 2007, sendo replicado em outras lojas Grand Cru, como é o caso da filial em Maceió.

A7E542F5-BFFB-450D-8718-661F9EC949D3
Vista da loja Grand Cru Maceió

O winebar da empresa foi inaugurado na cidade ao final de 2016 e conta com um menu franco italiano. Sua carta de vinhos é uma das mais variadas e completas, com cerca de 800 rótulos, das mais diversas nacionalidades.

“Há cerca de cinco anos pra cá, existia uma certa dificuldade em relação à cozinha gourmet e o consumo do vinho juntos. Mas os reality shows, como é o caso do Masterchef, entre outros, vieram para ajudar em relação a isso. Pra mim, enquanto chef, esse novo enfoque foi essencial, porque despertou curiosidade nas pessoas, quando elas passaram a querer conhecer esse tipo de gastronomia e, consequentemente, o interesse pelos vinhos também cresceu”, é o que afirma Thawã Calixto, chef de cozinha da filial.

IMG_9694
Entradinhas na loja Grand Cru que combinam o sabor agridoce                                                      Foto: Chico Brandão

A casa trabalha com diversos tipos de pratos para quem deseja petiscar enquanto toma um bom vinho, mas investe também em harmonizações menos comuns: não faltam opções para combinar os vinhos com os risottos, bruschettas e até mesmo sobremesas.

(Sonora Thawã, apresentando os vinhos, falando sobre as combinações preferidas, os rótulos mais procurados).

Peça chave na escolha do vinho ideal, a casa conta com a experiência do sommelier, profissional responsável pela escolha e compra dos vinhos, bem como pelo armazenamento, elaboração das cartas, serviço e pela recomendação das harmonizações.

“Estamos sempre em contato com o nosso sommelier para avaliar o prato. Apesar de termos um menu generalista, buscamos pegar a essência dos pratos e fazer harmonizações baseadas em afinidade ou contraste. No final, uma coisa leva a outra: todo esse movimento, em relação ao vinho e a comida veio pelo interesse no ‘saber cozinhar’ e apreciar um bom prato, atrelado a um bom, vinho é claro” explica Calixto.

Boutique de arte e sabores

Adaptando um ar despojado com menu de aperitivos até pratos um pouco mais sofisticados, para acompanhar a degustação dos vinhos, os bistrôs são charmosos e convidativos.

Aberto desde janeiro de 2016, a Boutique Bon Vin & Bistrot tem conquistado e vem fazendo sucesso. Desde sua fundação, a intenção era eliminar o pensamento de que o consumo de vinho só está ligado ao que é sofisticado e caro, quando na verdade a bebida está diretamente conectada à cultura, moda, história, e, sem poder faltar, a gastronomia.

IMG_0006
Bon Vin é boutique de vinhos e bistrot

Toda semana o casal Roberta Queiroz e Nico Ferrandiz, que é francês e bom conhecedor de vinhos, recebe jovens e adultos em busca dessa experiência. O Bon Vin não possui um sommelier vestido de terno e gravata, e isso cria uma relação mais confortável com a clientela.

Na hora que os clientes pedem por ajuda, Roberta Queiroz conta que este poderia ser apenas o momento de esclarecimento das dúvidas quanto à escolha dos pratos ou dos vinhos, mas que geralmente tudo termina em um bom bate-papo entre todos. “O Nico está constantemente por aqui para aconselhar e essa é a grande paixão dele: conhecer a respeito dos vinhos e dar suporte na escolha dos rótulos. Não costumamos fazer diferenciação de preços, o que está a disposição no bar, também está à venda”.

C1998D1A-28C5-4CC7-89F4-7F84B8A09BE1
Detalhes delicados que fazem a diferença

Para ela, a ideia de que o vinho está unido ao que é caro começou a ser descaracterizada. “A gente gosta de ter um produto acessível, de receber pessoas que venham aqui super à vontade. Gostamos que elas se sintam confortáveis, que cada um se sinta bem aqui no nosso espaço, sendo elas mesmas”, ressalta Queiroz.

A casa possui uma carta com cerca de 200 rótulos de países como França, Portugal, Espanha, Itália, Estados Unidos, Brasil, Chile, Argentina, entre outros. E os vinhos são servidos com o maior cuidado. Quanto a culinária, baseada em pratos frios, em sua maioria, como tábuas de queijos, além de saladas e bruschettas.

(Sonora da Roberta falando sobre o cardápio enxuto e com produtos frescos, feitos na hora, que foi inspirado no apéro na França, com a tábua de frios, sanduiches, croissaints, saladas, etc. Que o Bon Vin é a extensão da casa deles, escolhendo tudo bem fresco e ter um momento agradável)

Além disso, Roberta explica a importância da arte, gastronomia e da moda, três alicerces que, para ela, conversam entre si e tem tudo a ver. “São paixões. São retratos da sociedade. Reflexos do consumo, da interação. Então fazemos sempre questão de ter retratos de artistas expostos nas paredes e, além disso, uma vez por semana também contamos com a presença de músicos locais, que compõem a própria música, pra que possamos mostrar as produções locais, e dar mais valor a isso”, completa.

Dos pratos principais à sobremesa

Planejado no começo para ser uma petiscaria francesa, o Patrick’s WineBar & Bistrot recebeu tanta demanda de seus clientes para refeições completas e jantares, que resolveu readequar o cardápio para pratos clássicos da culinária francesa.

O local vem brigando por uma identidade, buscando sobreviver em meio a tantos outros empreendimentos parecidos que estão surgindo no mercado neste momento. Mas em seu pouco tempo de funcionamento, Patrick de Neufville Pénicaut, francês de coração alagoano, tem feito escolhas sábias.

CF73CF75-32E4-4738-9396-A0EFD0AE93A1
Restaurante é especialista em culinária francesa

Especialista na harmonização de vinhos e trazendo para os dias atuais lembranças de seu extinto restaurante Gstaad, fundado na década de 90, os pratos flambados já são os queridinhos dos clientes, que podem se deleitar com o camarão flambado à Mary Stuart ou um filé à Moscovita servido com ratatouille e batata soutée. Mas a estrela do jantar é mesmo a sobremesa, o famoso crepe Suzette.

CD1A1B7C-E5AF-405B-A511-1C27C384E3A6
Pratos minimalistas e cheios de requinte

Para Patrick, a gastronomia não existira sem o vinho. “Hoje não é a raro os apartamentos terem uma pequena adega e as pessoas compram vinho com mais frequência. Sabemos que a gastronomia só existe com a harmonização do vinho com o alimento, senão não seria gastronomia e sim uma simples refeição. Quando falamos em gastronomia, obrigatoriamente precisamos ter o vinho em conjunto. Então se juntarmos os dois de uma maneira bem elaborada, dá certo. O vinho chamou a comida e não ao contrário”, conta.

B4B66D4D-1E71-4B80-9E95-25645732FAB0
Pratos flambados são os mais pedidos no Patrick’s WineBar

Apesar da crescente procura e divulgação dos rótulos, o comportamento em relação ao vinho muitas vezes se faz cauteloso por conta dos preços um pouco mais elevados, visto que oferecer uma culinária de qualidade atrelada à bebida não é tão barato. Pensando nisso, Patrick buscou outro diferencial, a exclusividade em sua carta, além de um tipo de “carta 3D”, que facilita a visualização dos preços e dos produtos à disposição.

(Sonora do Patrick mostrando a “carta de vinhos 3D”, com os vinhos expostos e preços à mostra. Em sua carta, apresenta o vinho chileno Casa Rivas, exclusividade da casa, sendo ele único revendedor na cidade)

ONDE COMER

Grand Cru Maceió

(R. Eng. Mario de Gusmão, 560 – Ponta Verde, (82) 3435-0045), aberto às segundas das 9h às 20h, de terça a quinta das 9h às 23h e de sexta a sábado, das 9h à 00h.

Boutique Bon Vin & Bistrot

(Ed. Maceio Facilities – R. Gen. João Saleiro Pitão, 1037 – Ponta Verde, Maceió, (82) 98175-3651), aberto de terça a sábado, das 14h à 1h.

Patrick’s Wine Bar & Bistrot

(R. Dr. Odilon Vasconcelos, 607 – Jatiúca, (82) 3028-9916), aberto de terça a sábado, das 18h à 00h.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

A WordPress.com Website.

Up ↑

%d bloggers like this: